A Tradição Primordial também é dita "perene" porque sabe se transformar e adaptar, seguindo as próprias diretrizes da vida, sobre balizas universais que asseguram o equilíbrio do Todo, hoje em dia também chamado de “Holístico”. Costuma-se definir este eixo através de Trindades divinas.
.......APRESENTAÇÃO .........HOME........ INICIAL ........ GLOSSÁRIO ........ EDITORA........ VIDEOS........ GRUPOS

sexta-feira, 6 de março de 2015

A IMPORTÂNCIA DO AMERINDIANISMO NO IMAGINÁRIO UTÓPICO EUROPEU



Desde o começo da sua descoberta as Américas –embora também as Índias Orientais- motivaram na Europa novas visões de mundo e das sociedades.
Os cenários supostamente idílicos do Novo Mundo inspiraram várias das utopias e ideologias sociais europeias, além de haver motivado leituras românticas sobre os seus acontecimentos.
Nos situamos com isto especialmente entre o Renascimento e Iluminismo, quando surgiram os primeiros pensadores sociais “clássicos”, num tempo em que os filósofos buscavam substratos para repensar o mundo.
As leituras eram comumente românticas e não raro serviam para inspirar e ilustrar as ideias dos próprios “pensadores”, sem maior aprofundamento nas estruturas sociais e culturais destas sociedades. Vamos a alguns exemplos.


A obra que popularizou o termo “Utopia” (1516), levando este título resumida e escrita logo após a Conquista, foi escrita por Sir Thomas Morus (1480-1535), conselheiro e vítima do “grande” rei Henrique VIII, onde propõe pela primeira vez a comunidade laica de bens.
A “Nova Atlântida” (1610), de Francis Bacon (1561-1626), político, filósofo e escritor, considerado “o fundador da ciência moderna”, mostra o ideal de uma sociedade igualitária, não obstante nitidamente inspirada nos navegadores que traziam informes sobre a cultura asteca e adjacentes.

Os episódios das reduções jesuíticas, foram vistas por Voltaire (1694-1778) como um “triunfo da humanidade”, levando a acreditar numa sociedade mais humana e natural.
Depois temos a famosa obra “Do Contrato Social” (1762) de Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), onde trata do mito do “bom selvagem”, inspirado nos índios americanos e sobretudo canadenses aliados dos franceses.
E muito mais ocorreu neste sentido, coisa que estudiosos mais ilustrados podem auxiliar a levantar. Neste tributo a Europa “recompensava” as espoliações mercantis em torno dos povos e regiões que explorava, bastante com mão-de-obra negra é verdade.



O papel das Ordens Secretas

Depois que este conjunto de ideias e de percepções se cristalizou na Revolução Francesa, esta foi que se tornou a referência central para as investidas sociais do Velho Mundo (e por vezes até –paradoxalmente!- do Novo Mundo) pelos séculos seguintes.
Neste curso histórico, e já sob a coordenação da burguesia, a Ciência avançou levando boa parte da filosofia ao materialismo e ao pragmatismo. A maldição do templário Jacques de Molay ajudou a olhar a Igreja com maus olhos e a desencadear mudanças sociais mundo afora –especialmente através do neo-templarismo maçônico-, rompendo em definitivo com a estabilidade da época medieval. 

Porém, já era mesmo o tempo para tudo isto acontecer, e foram os próprios templários reorganizados que protagonizaram as primeiras grandes descobertas marítimas mundo afora, a partir da Escola de Sagres.
O colonialismo europeu enriqueceu as coroas que investiram nas artes e nas ciências, resultando nos faustos do Renascimento e sua opulência cultural. Sobre esta base a burguesia também se emancipou e passou a controlar o destino das nações.
Contudo, uma síntese ainda se encontra em andamento. O certo, é que a Descoberta do Novo Mundo definitivamente provocou –ou consolidou- as mudanças do nosso planeta.


webersalvi@yahoo.com.br
(51) 9861-5178 e (62) 9667-9857

Participe também dos debates em nossos facegrupos:
FILOSOFIA PERENE – O UNO E O TODO
A REPÚBLICA DOS FILÓSOFOS
ZAS - ZONAS AUTÔNOMAS SUSTENTÁVEIS

Nenhum comentário:

Postar um comentário